Os Fones de Ouvido Sem Fio são seguros??


[ATENÇÃO PAIS!!! - PIOR AINDA NAS CRIANÇAS]


[AUMENTO INCIDÊNCIA DE CÂNCER]


Os fones de ouvido sem fio são seguros?

Nosso mundo está se tornando cada vez mais sem fio, mas a que custo?


Hoje, exploramos as frequências eletromagnéticas e como essa nova tecnologia conveniente pode ter um custo mais alto para a nossa saúde do que poderíamos imaginar.


Tecnologia sem fio e CEM: os fones de ouvido sem fio são seguros?


A tecnologia sem fio funciona devido a frequências eletromagnéticas (EMFs), que são campos elétricos e magnéticos.


Esses campos estão presentes naturalmente no mundo; de fato, não poderíamos viver sem eles!


No nível atômico, toda a matéria (como prótons e elétrons) tem uma carga. A Terra possui um campo magnético natural, a atmosfera possui um campo elétrico natural e o sol também emite CEM. Essas frequências naturais são o que ajuda a sincronizar nossos relógios biológicos com os ritmos da Terra. Nosso ritmo circadiano está ligado à saúde e à longevidade.


Como seres humanos, nossos corpos operam nesses campos, como nossos nervos que se comunicam graças a essas correntes. Quando o coração de alguém para, usamos um desfibrilador para enviar uma corrente elétrica ao centro, na esperança de que ele o faça reviver. Nossas células, enzimas, mitocôndrias e neurônios também funcionam com condutividade elétrica.


As frequências eletromagnéticas produzidas pelo homem são emitidas por praticamente toda inovação elétrica, incluindo lâmpadas, despertadores, fornos, torradeiras, secadores de cabelo, computadores e fornos de microondas.


Esses níveis de CEM aumentaram significativamente quando essas tecnologias ficaram sem fio, com dispositivos como fones de ouvido sem fio, laptops, telefones sem fio, telefones celulares, internet sem fio e tecnologia Bluetooth.


Embora a indústria de tecnologia tenha pressionado a segurança 'garantida' dessas frequências por um longo tempo, a ciência está finalmente emergindo, destacando que o oposto é verdadeiro.


Os fones de ouvido sem fio são seguros? Os perigos dos CEM- (Campos Eletro Magnéticos)

Mesmo na natureza, entendemos que certos campos eletromagnéticos podem se tornar perigosos se permanecermos expostos por muito tempo. Embora a luz do sol seja essencial para a saúde humana, se passarmos o dia todo ao sol, a radiação fará com que nossa pele queime. As mulheres grávidas não são expostas a máquinas de raios-X fabricadas pelo homem pela mesma razão: isso danifica o DNA.


Novas tecnologias com esses CEM de baixo nível foram discutidas pelas empresas de tecnologia como seguras. No entanto, a realidade é que, ao usar esses dispositivos, estamos participando, sem o saber, do mais extenso estudo com campos eletromagnéticos.


Nós somos os ratos de laboratório porque nunca houve um estudo de longo prazo explorando a segurança de qualquer uma dessas tecnologias, sem mencionar seus efeitos compostos.


As empresas sugerem que os CEM são seguros porque as frequências são consideradas CEM de 'baixo nível'.


Esse argumento reflete o argumento Roundup da Monsanto de que, em 'pequenas quantidades', o glifosato não prejudica o corpo. O problema com esse argumento é que baixos níveis de estresse crônico repetidos durante todo o dia, todos os dias, não são mais baixos. O corpo é incrivelmente resistente e pode, sem dúvida, suportar uma exposição curta e isolada a CEM.


No entanto, o mundo moderno de hoje está cheio dessas freqüências de baixo nível, pulsando em todos os ângulos, dia e noite.


Estudos emergentes começaram a vincular os baixos níveis de CEM criados pelo homem a cânceres, tumores cerebrais e outras doenças mitocondriais.


Esses resultados levam alguns países a estabelecer limites estritos às exposições de baixo nível a campos eletromagnéticos. Os regulamentos para CEM variam muito de país para país, com a Rússia tendo uma das políticas mais rigorosas, enquanto os EUA têm uma das mais frouxas, e no Brasil...bem...o Brasil nem se fale!


Os sintomas da exposição crônica a CEM de baixo nível incluem:

• Ansiedade

• Depressão

• Dificuldade de dormir

• Sono superficial

• Névoa do cérebro

• Irritabilidade

• Tontura e vertigem

• Baixo sistema imunológico

• Sintomas crônicos de constipação / gripe

• Fadiga adrenal

• Desequilíbrios hormonais

• Zumbidos

• Câncer ou aumento do risco de câncer


No mundo moderno de hoje, muitas pessoas passam a maior parte do dia com a tecnologia em suas cabeças. Seja celulares, telefones sem fio, fones de ouvido Bluetooth e agora a mais recente tecnologia de cabeça sem fio: fones de ouvido sem fio.


Alguns dos mais recentes modelos populares de celulares e mp3 players são oferecidos apenas com fones de ouvido sem fio.


Muitas pessoas conhecem os perigos de segurar seus celulares na cabeça e podem pensar que optar por fones de ouvido sem fio Bluetooth seja uma decisão mais inteligente. No entanto, não é.


Sabendo o que sabemos agora sobre a tecnologia sem fio, não é difícil conectar os pontos e ver por que os fones de ouvido sem fio são especialmente problemáticos para a nossa saúde.


Assim como os celulares, os fones de ouvido sem fio são colocados contra a cabeça, ao lado do cérebro. Nossos cérebros são especialmente sensíveis a essas frequências, examinadas por meio de imagens de calor da massa cerebral antes e depois da exposição.


A radiação emitida por esses dispositivos aquece o cérebro, causando danos à radiação nos tecidos.


Para entender realmente o impacto que esses fones de ouvido sem fio estão causando no corpo, procure mais que um simples teste de microondas, por ex. Um RF Electrosmog TES-593 .


Esses dispositivos medem o grau de frequências eletromagnéticas emitidas por nossos dispositivos.


O dano celular começa com uma leitura de 0,5 Ghz nesses dispositivos, e uma análise rápida segurando o dispositivo com Apple Airpods sem fio enquanto reproduz música conectada a um iPhone mostra uma leitura acima de 5,0 Ghz !!!


Esta leitura é surpreendente e preocupante.


Você pode assistir a este vídeo para ver o teste por si mesmo:


Wireless Headphone Warnings? | Fact or Fiction? https://youtu.be/exlm5JsXlpo

Maneiras simples de minimizar os danos EMF:


Embora não possamos controlar muitos aspectos do nosso mundo moderno, essas dicas ajudarão você a reduzir significativamente sua exposição.

- Antes de tudo, sempre opte por conectar-se com um cabo em vez de usar sem fio.

- Use fones de ouvido plug-in em vez de sem fio, evite os telefones domésticos sem fio e considere conectar o laptop à Internet diretamente da parede, em vez de usar o wifi.

- Sempre que você estiver usando opções sem fio, lembre-se de mantê-las o mais longe possível do seu corpo físico, especialmente do cérebro e dos órgãos.

- Mantenha o telefone longe da cabeça e, de fato, mantenha-o no modo avião o máximo possível.

- Evite usar a tecnologia sem fio a qualquer momento, pois você pode optar por conectar-se. Ao usar o telefone no viva-voz, segure o telefone a pelo menos 30 cm de distância do corpo.

- Opte por manter o celular na bolsa e não no bolso.


Embora seja inevitável algum nível de exposição a campos eletromagnéticos - o importante é que você faça tudo o que puder. Além de evitar fones de ouvido e fones de ouvido sem fio - uma das melhores maneiras de reduzir o impacto da exposição a campos eletromagnéticos é com um estojo de proteção ou adesivos bloqueadores de radiação.


Isso é especialmente importante se você costuma manter o telefone em um bolso ou jaqueta perto do corpo - para que a radiação não penetre na pele e no corpo.


Referências:


Aine, Cheryl J. “Highlights of 40 Years of SQUID-Based Brain Research and Clinical Applications.” IFMBE Proceedings 17th International Conference on Biomagnetism Advances in Biomagnetism – Biomag2010, 2010, 9–34. https://doi.org/10.1007/978-3-642-12197-5_2.


“Brain Tumor FAQs.” American Brain Tumor Association, n.d. http://www.abta.org/about-us/news/brain-tumor-statistics/.

“Carcinogenicity of Radiofrequency Electromagnetic Fields …,” n.d. https://www.thelancet.com/journals/lanonc/article/PIIS1470-2045(11)70147-4/fulltext.


“Cell Phone Radio Frequency Radiation.” National Institute of Environmental Health Sciences. U.S. Department of Health and Human Services, n.d. https://ntp.niehs.nih.gov/results/areas/cellphones/index.html.

Cousin, Marie-Eve, and Michael Siegrist.


“Cell Phones and Health Concerns: Impact of Knowledge and Voluntary Precautionary Recommendations.” Risk Analysis31, no. 2 (2010): 301–11. https://doi.org/10.1111/j.1539-6924.2010.01498.x.


“EMF 5: What Are the Biologic Effects of EMF?” Dr. Jack Kruse, n.d. https://jackkruse.com/emf-5-what-are-the-biologic-effects-of-emf/.


“Energy Conversion: Mitochondria and Chloroplasts.” Molecular Biology of the Cell, 2007, 813–78. https://doi.org/10.1201/9780203833445-14.


Hannemann, Frank, Andreas Bichet, Kerstin M. Ewen, and Rita Bernhardt. “Cytochrome P450 Systems—Biological Variations of Electron Transport Chains.” Biochimica Et Biophysica Acta (BBA) – General Subjects1770, no. 3 (2007): 330–44. https://doi.org/10.1016/j.bbagen.2006.07.017.


Heuser, Gunnar, and Sylvia A. Heuser. “Corrigendum to: Functional Brain MRI in Patients Complaining of Electrohypersensitivity after Long Term Exposure to Electromagnetic Fields.” Reviews on Environmental Health32, no. 4 (2017). https://doi.org/10.1515/reveh-2017-0027.

Singh, Pragya. “WIRELESS RADIATION: A THREAT TO HUMAN HEALTH.” International Journal of Technical Research and Applications. Department of civil engineering M M M Engineering College, June 2013. https://bit.ly/2lF4QXP.


Sivak, Andrew. “Human Exposure to Radiofrequency Radiation—Public Health Issues.” Wireless Phones and Health, 2002, 197–202. https://doi.org/10.1007/0-306-46899-9_15.

Tel: (11) 976360100

Email: contato@stopcancerbr.com

Aviso Legal: As informações contidas nesse site são de caráter informativo e não representam conselho medico,  sugestão de tratamento, nem substituem o tratamento medico.

© 2017 por Stopcancer.br