Tel: (11) 976360100

Email: contato@stopcancerbr.com

Aviso Legal: As informações contidas nesse site são de caráter informativo e não representam conselho medico,  sugestão de tratamento, nem substituem o tratamento medico.

© 2017 por Stopcancer.br

HOMOTOXOLOGIA- A Importância do Detox para a Saúde


📣📣[IMPORTÂNCIA DO DETOX PARA A SAÚDE]


A medicina ortodoxa encontra-se basicamente restrita à prescrição de medicamentos baseada nas informações da indústria farmacêutica - "tal sintoma desaparece com tal medicamento".


Oculta-se, porém, dos pacientes, e às vezes dos próprios médicos, a lista completa de efeitos colaterais que os fármacos produzem, sob a desculpa de que "os fins justificam os meios".


Com o objetivo de redirecionar a prática médica à arte da reconquista da saúde e pôr um fim à via crucis medicamentosa, Hans Heinrich Reckeweg (1905-1985) desenvolveu a homotoxicologia - (1) especialidade médica hoje já bastante difundida na Alemanha e outros países da Europa -, a partir da redefinição da natureza das doenças e dos fármacos.


Assim, segundo os novos parâmetros estabelecidos pela homotoxicologia:


As doenças são a expressão do esforço do organismo em neutralizar e eliminar as homotoxinas - substâncias ou microrganismos prejudiciais ao corpo -, cuja presença atingiu um determinado grau de saturação.

Os fármacos são bloqueadores dos sintomas provocados pelo processo de eliminação das homotoxinas, fazendo-as penetrar mais profundamente nos tecidos, a começar pela matriz extracelular e posteriormente nas células, aumentando os níveis de intoxicação do organismo e alimentando os quadros crônicos e degenerativos.


Segundo a homotoxicologia, os fármacos criam um campo de interferência sobre a circulação energética que imediatamente afeta o sistema de controle neurovegetativo e endócrino (e consequentemente o Sistema Fundamental de Regulação "descoberto" por Pischinger), que podem acabar provocando a "paralisação das reações", com o organismo refratando a ação dos próprios medicamentos.


Sem parâmetros para reconhecer esse processo, a medicina ortodoxa em vez de suspender os medicamentos e concentrar esforços nos mecanismos de desintoxicação e alcalinização da matriz extracelular e do sangue, assim como otimizar o status nutricional do organismo indispensáveis à regeneração das estruturas e revitalização do metabolismo celular - condições si ne qua non à reconquista da saúde -, limita-se a trocá-los por outros mais fortes, que intensificam ainda mais o grau de intoxicação do organismo.


Não é, pois, surpreendente que esse tipo de prática médica tenha sido apontada, em artigo publicado no Journal of the American Medical Association - JAMA (2000), (2) como a terceira causa mortis nos Estados Unidos, e responsabilizada pela morte de 250 mil pessoas, em um único ano, das quais 106 mil diretamente relacionadas aos efeitos colaterais dos medicamentos prescritos.


Para auxiliar os profissionais da saúde a traçarem o histórico médico de seus pacientes sob os paradigmas da homotoxicologia e facilitar a determinação do grau de intoxicação em que eles se encontram, Reckeweg elaborou uma tabela que mostra as diferentes fases desse processo, distinguindo seis fases distintas:


AS SEIS FASES DA HOMOTOXITOSE

Fase de Excreção


A excreção é o mecanismo de desintoxicação natural do organismo. Sintomas de eliminação não são sinônimos de doença, mas sim de saúde. Por isso, ao contrário de inibi-los, é preciso erradicar a causa do problema e criar condições favoráveis à desintoxicação!


Fase de Reação


Quando o acúmulo das homotoxinas atinge um certo nível, o organismo responde através de reações mais violentas, como as crises inflamatórias produzidas pelo metabolismo gerado por uma maior quantidade de células do sistema imunológico atraída ao local.


Fase de Deposição


Se a causa da intoxicação não for interrompida e as homotoxinas forem impedidas de serem eliminadas por fármacos que suprimem a ação do sistema imunológico, por exemplo, elas passam a se depositar na matriz extracelular - início doenças crônicas.


Corte Biológico


O corte biológico indica o momento em que o processo de intoxicação passa dos líquidos extracelulares aos intracelulares, ou vice-versa, ou seja, em direção à vicariação progressiva/processo degenerativo ou à vicariação regressiva/processo de cura.


Fase de Impregnação


A impregnação diz respeito à presença das homotoxinas já dentro das células começando a afetar diretamente a comunicação e o metabolismo das organelas. Nesse momento, a capacidade de auto-regeneração do organismo começa a diminuir drasticamente.


Fase de Degeneração


A degeneração é decorrente da ação das homotoxinas, cujos radicais livres, afetando o DNA, interferem na síntese das enzimas e de outras proteínas. Neste estágio, a maioria das doenças é classificada como incurável e a reversão dependerá de um grande esforço.


Fase Neoplásica


A neoplasia reflete o colapso do sistema imunológico, que passa a não mais respon-der a qualquer infecção, inflamação ou à presença de corpos estranhos, inclusive das células que perderam a capacidade de diferenciação e se acumulam como tumores.


Importante Salientar que intoxicações dependendo da fase, devem ser tratadas por protocolos específicos, com terapias complementares, mas muito se pode fazer em casa com os protocolos sugeridos pelo StopCancer através do “Detox 5 fases” visando minimizar as fases tóxicas, e prevenir a progressão da toxicicidade.


#descomplicandodetox